sábado, 7 de outubro de 2006

(40) OS SÁBIOS

Privei com dois cientistas tão diferentes e tão semelhantes que não resisto a recordá-los.
Ambos ambiciosos; ambos tristes; ambos esqueciam ser mortais.
Um julgava saber tudo.
Ansioso, continuava mergulhado na amargura da busca do conhecimento.
O outro julgava nada saber.
A ânsia era semelhante.
Nessa busca incessante devoravam sofregamente toda a fruta do pomar da vida, ignorando o valor do singelo bago de uva quando lentamente saboreado.
Assim passeavam-se perto da vida sem a roçar, impossibilitando a absorção de qualquer centelha de felicidade.
Supunham andar de olhos bem abertos e não viam na realidade o essencial.
Sabiam descrever cientificamente a árvore, sem usufruir da frescura da sua sombra ou escutar os segredos recontados pelas folhas e ramos à passagem da brisa e até o piar da ave jovem esfomeada no seu ninho. Não conheciam tão pouco o grito de dor quando os lenhadores a abatem a golpes de machado e, talvez envergonhados do acto, tentam abafar exclamando “madeira” (timber), a reconhecer ao gigante, mesmo ferido de morte, a capacidade de luta.
Descreviam cientificamente as formigas e os homens, não descortinando afinal que os homens se deslocam como as formigas numa correria em todas as direcções, para cá e para lá. Só que as formigas sabem para onde vão e os homens nem tanto. Além disso elas deixam o caminho limpo e os homens, por sistema, conspurcam-no
Compadeci-me, como sempre me compadeço quando deparo com alguém que não consegue criar laços. Os laços são essenciais na vida, ténues ou mal apertados que sejam.
Sempre me fizeram falta, cultivo-os quando vale a pena. Amparam a minha solidão. Não passo sem eles. Mas para criar laços é necessário saber cativar (carinho e humildade).
Atenuar aquela situação seria trabalho para a Virtude. Diz o povo que é no meio que ela está.
Perguntei-lhes se a aceitavam. Foram orgulhosos, rejeitaram. Ficaram sós.
Afinal eram néscios e, como mortais que são, um dia sairão sem as alegrias da partilha

1 comentário:

preconceitos disse...

De Di a 15 de Outubro de 2006 às 00:01
Que bom que valorizas laços ! Eu também ! Tal como tu dedico especial carinho aos que valem a pena. Considero o nosso, ainda que recém nascido, ja uma fonte de iluminação de meus cantos e recantos que se encontram ainda na sombra.
Isto leva-me a conprovar a veracidade da maxima:
"Quando o aluno esta pronto o professor aparece"

De Maricel a 15 de Outubro de 2006 às 00:53
Obrigada SOLCAR, por permittires a minha presença.....
Os laços que se criam ,se manteem ou se desfazem, todos eles são muito importantes na nossa vida.
Aqueles que se manteem, vão prevalecer para a eternidade
os que passam por nós mas só por um periodo de tempo e espaço, deixá-los ir, foram sm importantes, sim mas se, se não mantêm, é porque não tinham amarras suficientemente fortes e se quebraram, por algum motivo isso oconteceu, acontece e voltará a acontecer. são para nos mostrar que nem tudo é permanente.
Outros virão.... estão sempre à nossa espera, se vão ser duradouros ou não, só as Grandes Forças Cósmicas, que nos comandam o saberão.... ou não totalmente... pois há sempre que contar com "o livre arbitrio" que vai alterando as energias à nossa volta.
Não há que sofrer com o rumo - decisão - atitude, que outro toma, a escolha é dele. Terá que ter uma ou várias experiências mais, para saber se estava errado , mas isso também faz parte do crescimento do individuo.
É, sempre foi, e sempre será uma escolha própria.
Afelicidade que, é exactamente nas pequenas coisas, nas mais simples, que se vive,,, , essa é para ser derfrutada, só pelos que a sentem, e por vezes com toda a intencidade, pelos verdadeiros
"SABIOS"

De preconceitos a 16 de Outubro de 2006 às 16:06
Não agradeças. O prazer é meu.
Além do que o teu comentário vale, por si só, um artigo num blog.
Continua, por favor.

De MARICEL a 16 de Outubro de 2006 às 07:28
Concordo
O facto de se ter que trabalhar um pouco, (CONQUISTAR), para se conseguir uma coisa, qualquer coisa, - no campo emocional ou no campo material - esse trabalho, que pode ser com maior ou menor grau de dificuldade - o prazer por ter conseguido chegar lá será muito maior.

De preconceitos a 16 de Outubro de 2006 às 16:09
Eu tinha percebido pelo texto.
Apesar da dificuldade, conseguir, não garante só o prazer é também uma mais valia para a continuidade.

De Maricel a 16 de Outubro de 2006 às 07:37
ATENÇÃO
O último comentário, não pertence aqui....
Mas sim ao LABIRINTO
Não sei o que fiz, mas foi cair no sítio errado.