segunda-feira, 25 de setembro de 2006

(36) MOSCA II


Sim, este é o meu olho !
Hoje, dia de saída, não estou no emaranhado pesadelo, mudado em grande mosca e na ânsia de voar além das grades.
E, com agrado e sem menosprezo pelo magnifico olho da mosca, vou apontar-lhe um senão.
Da paleta universal não retirou o matiz e, o repetir das imagens, não garante vantagens.
Se fosse mosca, calcula, nem se me dá na lembrança, quando olhasse para ti, meu amor, a ver-te sem cor, repetida, como névoa esbatida de quem anda fugida.
Quero ver-te toda inteira, nesse teu jeito de ser, com esse brilho nos olhos onde verdejam os prados e o lago de água mansa onde navegas na esperança.
Como podia encontrar-te, repetida e sem cor ?
Mergulharia na dor de perder o teu amor!
E, depois, outro senão.
Será que a mosca tem coração ?
Lá ter terá, certamente.
E cabe nele a ternura, a compaixão, o amor e até talvez a loucura ?
Na dúvida, digo que não.

1 comentário:

preconceitos disse...

De Di a 25 de Setembro de 2006 às 19:15
Boa ! Agora fico à espera da Mosca III . Sera que aí ja está a fazer amor com a Mosca ? he he he.

De Di a 25 de Setembro de 2006 às 19:19
Boa ! Agora fico à espera da Mosca III . Sera que aí ja está a fazer amor com a Mosca ? he he he.

De Maricel a 17 de Outubro de 2006 às 01:29
Que ALEGRIA já não ser a "MOSCA".
Ser livre, poder voar, analisar, sonhar....
Que importa saber se a mosca tem coração.....
Os investiigadores que o descobram, e passem a informação.
Aquela, a qual fomos, essa teve um coração, mas agora que já partiu, que importa?
SAIBAMOS VOAR, MAS NÃO COMO MOSCA