quarta-feira, 28 de fevereiro de 2007

(73) O REGRESSO

Desculpem lá o tamanho e a euforia.
É que algures dali saiu em tempos a minha nave em passeio espacial de maravilha, tendo, por sorte ou azar, esbarrado neste planeta prisão, onde e incompreensivelmente, ficou retida.
Desculpem, reitero, o êxtase acelera-me e dá-me ganas de mergulhar, sem saber voar, sem medo, sem servidões, livre, na tentativa de regressar ao meu sítio.
O quê ? O conhecimento e a ciência dizem-nos que muitas daquelas estrelas já não existem ?
Pode lá ! Eu estou a vê-las! Ou, por aqui, já nem posso acreditar no que vejo?
Para que servem esses tais de ciência e conhecimento?
Será para aditar angustia e cortar cerce a esperança de regresso?
Será que a minha estrela está na lista das extintas, sendo em vão o retorno, deixando-me no espaço para a eternidade sem acolhimento?
Ciência e conhecimento eu vos declaro culpados. Assassinos confessos dos meus sonhos, minhas ilusões...

1 comentário:

preconceitos disse...

De empatia a 5 de Março de 2007 às 16:45
Pois, quem o mandou sair do seu planeta? É o que sucede a quem se quer ver livre de tudo...Sai duma para se meter noutra! No entanto, garanto-lhe, não deve acreditar nos ciêntistas, se você ama tanto a sua estrela, ela não pode estar morta... E como para Deus não existe tempo, não se preocupe com a morte pois todos temos como certo a Ressurreição!

De solcar a 12 de Março de 2007 às 10:48
A minha preocupação tem mais a ver com a vida.

De cadencia a 6 de Março de 2007 às 22:15
Calma ! O regresso esta garantido e a estrela não foge. Tudo a seu tempo.Não te preocupes tanto com a opinião da ciencia....ou tu achas que, por exemplo, a força da gravidade só começou a existir quando os homens a descobriram e acreditaram nela ?
Bjs

De maricel a 10 de Março de 2007 às 20:32
Olá preconceitos
Tenho andado afastada, mas verifico que tu só de mês a mês aqui vens.
Não tenhas receio a tua e todas as estrelas, estão lá à nossa espera, mas só quando o momento chegar.
Faz favor de não deixar de sonhar, viver, amando-te.
Gostar de nós próprios, é essencial.
Até breve

De solcar a 12 de Março de 2007 às 10:51
Quando me meter na nave para o regresso gostaria de chegar à minha estrela. Se ela já não existir, lá fico a deambular no espaço, perdido. E para se andar perdido é suf a vida na terra.

De Yuki a 12 de Março de 2007 às 23:07
Só estamos perdidos se assim o quisermos. Qualquer lugar, seja na Terra, nas Estrelas ou mm na nossa Nave, é um bom porto de abrigo... ou de chegada, basta assim o olharmos.
A vontade é tudo... e o Amor também.
Que o firmamento o ilumine!

De solcar a 13 de Março de 2007 às 10:45
Parece fácil, dito assim.
Eu até acrescentaria que só nos faz mal quem nós deixamos.
E, no meio disto, onde fica a condição humana e o seu ferrão chamado memória ?
Carpe Diem...
Contudo não deixamos de pensar no amanhã...
E que os amanhãs sejam carga leve nos ombros do teu Afonso.

De yuki a 14 de Março de 2007 às 22:16
A memória apaga-se aqui... não segue viagem, caso contrário era uma carga mto grande e não temos espaço rígido para tanto! (:
Quem cá deixamos, pois isso já são outras núpcias. Preocupemo-nos com uma de cada vez... tal como a vida - viver uma de cada vez!
De Keops a 22 de Março de 2007 às 16:06
Ela está lá, podes crer! O teu planetasinho, a tua estrelinha, como a queiras chamar. Não foge! Que sabem os sábios, de nós mesmos? Tolos. Eu sei, me basta. Mas, enquanto neste planeta, façamos a gestão do que temos, boa gestão! Confere, tens o bilhete para a viagem, GARANTIDO. E se por qualquer azar faltar-te o transporte...meu amigo, dou-te boleia, tens que me dar as coordenadas, no meu GPS dos afectos transporto-te,seguramente. Um abraço

De preconceitos a 22 de Março de 2007 às 18:01
Num teu anterior comentário perguntavas se já experimentara pintar quadros com palavras.
Acho que fazes isso com os teus textos.
A minha gestão é de artista mediocre, limito-me às colagens e assim vou tentando enganar-me colando a beleza sobre a dor.
Fica o abraço retribuido, grato pelo teu carinho.